domingo, 23 de novembro de 2014

POR CIMA DA TASCA DA "GENEBRA"

HISTÓRIAS E MAIS HISTÓRIAS!...

Um belo dia, na sala da receita eventual, ponto central da Repartição, apareceu uma belíssima moça, rosto sorridente e decote bem apetecível...
Da sala ao lado, saltaram logo os olhares do Pintão e do Nordeste, pois claro...

Com voz doce estendeu o papel para registar, mas o Reis Duarte, sempre mal humorado, disse à moça que era com "esses meus colegas"... Esses colegas eram o Baptista, o Melato e eu...

Como que impulsionado por uma mola, logo saltei do meu lugar, bem mais acessível que os dos restantes.

Feito o registo, debaixo das "bocas" dos mirones presentes, mandei um "ligeiro" piropo à moça, que sorriu ainda mais, perguntou onde é que pagava  pediu-me a esferográfica para apontar não sei o quê...

Quando saiu deixou um papel com um número de telefone e a hora para telefonar!

Bem, naquela altura o Bairro não tinha telefone para a rede e telemóveis... nem imaginá-los!

Sorrateiramente, vim cá fora à hora indicada e... do outro lado a voz melodiosa deu-me a morada, ali bem perto, por cima da tasca onde íamos "meter" umas doses de Genebra, depois do almoço.

O resto foi só "love" que não conto em pormenor.
Mas que depois apanhei um valente susto, isso apanhei, porque a moça com ares de anjo, era afinal casada, gostava de dar umas "corridas por fora" e o marmanjo era polícia! 
Imaginem só o que seria ser apanhado em casa dela pelo marido polícia! Livra!

  

3 comentários:

  1. ...trabalhava no escritório dos advogados!!!

    ResponderEliminar
  2. Se era casada com um policia só pode ser a que o 1º. anónimo diz!!!Policia e de...choque!!!

    ResponderEliminar
  3. Bravo! Olha o que eu perdi. Que inveja...

    ResponderEliminar